O tal ócio criativo

O termo vem lá do italiano Domenico de Masi e diz q “… o ócio, longe de ser negativo, é um fator que estimula a criatividade pessoal” (via Wikipedia). Nunca estudei isso a fundo, nem sei se pretendo, todavia vou-me aventurar a falar um pouco sobre o assunto, baseado unicamente em experiência pessoal.

Não sei se o q faço vem de momentos ócio, mas sou estimulado a criar desafios como formas de aprender coisas novas. Lembro-me q, em Salvador, para estudar aquarela, decidi participar de salões de humor. Naquela época os salões só aceitavam “artes tradicionais”, nada de arte digital. Então eu tinha um motivo para impulsionar o estudo. Claro q na bagagem eu ainda treinava o humor, a criatividade, disciplina de prazos, essas coisas. Mas não era um “estudo solto”, havia um propósito. Não estou fazendo apologia ao pragmatismo, porém sem foco, sem objetivo, a vontade inicial se perde e vai para outras coisas.

Criei tumblrs em que publicava o resultado dos meus “exercícios criativos”, q é o termo q prefiro usar. Meu trabalho me exige muitas vezes soluções rápidas, não tenho lá muito tempo para experimentar, testar. Então bolei saídas para “brincar” um pouco, tentar pelo menos algo diferente, sem exigências externas. Além de canalizar energia criativa, muitas vezes são essas experiências q me fornecem as “soluções rápidas” q uso no dia a dia. Mas a estrutura de tumblr é meio engessada. Eu precisava de algo mais…

Então veio a… programação! Resistindo “bravamente”, acabei cedendo. Acho q tudo vem a seu tempo e agora me sinto mais maduro (quem sabe?) para me arvorar neste universo e somar ao trabalho q já faço. Mais uma vez sem a cobrança, vou aos poucos pegando antigas (e novas) ideias q antes ocupavam outros suportes e vou remodelando-as, explorando recursos, criando algum tipo de diferencial em relação ao q já eram.

Tudo isso para introduzir mais uma dessas brincadeiras criativas, um projeto q nasceu num tumblr com o nome de 50 coisas redondas, uma alusão aos tais 50 tons de cinza. O blog ainda existe, mas peguei a ideia original, expandi-a um pouco e usei-a como estímulo para treinar HTML, CSS e Javascript. O resultado virou o 60 paradinhas redondas. Nesta versão expandida, explico o porquê de escolher o número 60 e porque a forma redonda. Acho serviu ao seu propósito: estudar!

divulgacao.gif

Anúncios
O tal ócio criativo

Surpresas que a vida nos revela

Ando naquela fase de questionar meu trabalho. É um período cíclico. Se o planeta passa por 4 estações climáticas e não há como escapar delas, então não me culpo mais por reviver sensações q, embora incomodem, ainda ousam (re)aparecer.

Para equilibrar as coisas, acredito nos bumerangues da vida: o q vc emite, uma hora retorna. E tive uma grata surpresa quando uma internauta, uma “facenauta” na verdade, entrou em contato comigo recentemente. Identificou-se como sobrinha de um ex-colega de trabalho (mundo pequeno), mas não foi isso q fez com q ela se motivasse a me procurar, mas sim um trabalho meu estampado nas páginas de um livro didático. Felizmente consigo emplacar um desenho ou outro do meu “material de gaveta” como gosto de dizer. Mas desta vez, além do desenho, a editora se interessou pelo meu texto. Isso aconteceu há alguns anos (acredito q o endereço virtual q consta no livro nem vai redirecionar mais para o link original, pois mudei o blog há algum tempo e o texto e as imagens faziam parte de um post dele). Foi uma dupla satisfação na época.

Anos mais tarde, em meio a uma “crise”, a iniciativa de uma jovem de 12 anos q gostou do q leu e viu; q se motivou a me procurar no facebook; q teve coragem de puxar papo e dar um feedback sobre meu trabalho fez com q eu não me deixasse abalar demais pelas marés emocionais. Procuro viver do meu trabalho, não faço apenas por prazer, busco ser remunerado pois a energia do dinheiro é outra coisa tão presente quanto as estações do ano q citei lá no começo do texto. Todavia há um retorno q a gente nem se dá conta muitas vezes: o poder q nosso trabalho tem de tocar, provocar e influenciar o outro.

Invadem-me os fantasmas da obsolescência, da comparação cruel com os outros, do mito do elefante (ou seria do tigre?) q vai envelhecendo e busca afastar-se do grupo pressentindo a morte q se aproxima. Coisas pesadas demais para quem ainda vai fazer 40 anos, mas quem passa por essas coisas sabe q a idade pouco importa. Entretanto a vida vai nos dizendo q, em meio às crises, se perseveramos, os bons frutos aparecem… e os fantasmas q assolem outros terrenos.

Aqui vai a foto da página do livro q a Ana Júlia me enviou;

Surpresas que a vida nos revela

O Monge e o Peixe

Local: sala Walter da Silveira (?), Salvador, Bahia. Data: indeterminada. Na programação daquele dia, um evento ligado à animação (?), um curta singelo, de timming “aceleradinho”, aquarelado, música perfeita para a história e um enredo q misturava humor e certa dose de surrealismo. O nome do filme: The Monk and the Fish. O autor: um homem cujo nome demorei  para pronunciar – Michaël Dudok de Wit. Após a exibição dos quase 6 minutos e 30 segundos, uma única reação: aplausos (o único filme que foi aplaudido naquele dia, se não me engano).

Local: cine Odeon, Rio de Janeiro. Data: 22 de julho de 2017. Na programação daquele dia, um evento ligado à animação (Animamundi), um “papo animado” com o já sexagenário autor do não apenas engraçado The Monk and the Fish, mas também do apaixonante e emocionante Father and Daughter (q me fez chorar mais uma vez…). Dudok brindou a plateia com simpatia, conteúdo e lições valiosas. Após quase 2 horas q passaram voando, uma única  reação: aplausos. O palestrante anterior tb fora aplaudido, mas Dudok foi o único ovacionado com a plateia em pé e por bastante tempo…

Queria ter tietado de perto, mas não foi possível. E se a vida fosse abrevida neste instante, tudo teria valido à pena.

Seguem os links dos curtas para comprovação do que eu digo… ou não.

Não resisti e fui pesquisar sobre a trilha de The Monk and the Fish, la Follia (ou A Folia), que lembra um clima renascentista, mas que tem uma “pegada rock’n’roll” em algumas partes da melodia. Segundo o Wikipedia:

Folia é uma dança surgida no século XV em Portugal cujo esquema harmônico-melódico foi, desde então, utilizado em centenas de variações feitas por mais 150 compositores, de Lully a Sergei Rachmaninov. É um dos mais antigos e recorrentes temas musicais europeus.

E segue um exemplo para verificação, de ninguém menos q Antonio Vivalvi:

Na “grande rede” é possível encontrar outras variações.

O Monge e o Peixe

“Ó abre páginas, que eu quero passar”

Empolgado pela repercussão das páginas que fiz para O homem que calculava, resolvi falar um pouco sobre o processo de adaptação, que, longe de ser O método, tem atendido bem ao meu objetivo. Parte desse post foi motivado por uma amiga que viu a evolução de uma das páginas da adaptação.

A primeira pergunta dela foi: “vc faz tudo direto no computador?” Devo dizer que não tive computador sempre e usei muito papel e lápis (ainda uso, com certeza), mas para a minha produção em quadrinhos, confesso que fazer tudo no computador, além de agilizar o trabalho, me permite riscar e rabiscar à vontade, fazendo uma verdadeira “colcha de retalhos digital” (recortando, colando, ampliando, flipando, rotacioando etc). No “mundo real” tudo isso seria mais moroso e (mais) cansativo.

Neste post vou me deter a uma das etapas mais desafiadoras (na minha opinão): “abrir uma página”. Não sei se o termo “correto” é esse, mas é o que eu uso. Abrir uma página é distribuir, no espaço, os requadros, criar o ritmo da narrativa, o peso que os quadrinhos terão na página. Uma definição que pode abrir espaço para reparos, mas para mim é mais fácil fazer do que falar. Trabalho muito no esquema “começo, meio e… gancho”, ou seja, procuro fazer com que cada página leve o leitor para a seguinte. Em O homem que calculava, minha tarefa inicial foi determinar os “pontos de virada” (de página) e buscar resolver as questões dentro dos limites que estipulei. A edição do livro que possuo apresenta os 3 primeiros capítulos da obra em 9 páginas. Descontando a diagramação, devem dar de 5 a 6 páginas de texto corrido, portanto eu não queria ultrapassar o limite de 6 páginas, mas isso foi um objetivo meu.

Sabendo o que poderia conter em uma página, começo então a… desenhar? Não! Ainda considero a narrativa a coisa mais importante dentro dos quadrinhos. E o texto. Depois vem o desenho. Parece estranho, mas só comecei a agir assim depois de anos. No começo a gente quer desenhar, encher a página com gente musculosa e mulheres gostosas, perspectivas arrojadas, muita ação e pancadaria. E depois vc (ou outro) que dê seu jeito para entrar com os balões!

Diagramar uma página é uma arte e um dos meus mestres no assunto se chama Mike Mignola. Por mais que eu tente, não consigo nem de longe alcançar a elegância das páginas que ele diagrama. Sem contar com o fato de que Mignola consegue distribuir os textos sem sufocar os quadrinhos, coisa de gênio!

Hoje eu começo distribuindo os textos primeiro. E o tamanho dos quadrinhos vai se guiando pelas massas textuais. Uso uma coisa chamada “grid” tb (coisa de designer gráfico :P). Resolvida a questão, o que sobrar é onde entra o desenho. O processo se inverteu! Claro que não deixo o texto tomar conta de tudo, mas a experiência e a boa e velha “tentativa e erro” ajudam na hora de por texto e imagem para dialogar, não para discutir ou disputar.

Abaixo separei duas páginas diferentes que ilustram esse tipo de processo. Em uma delas só coloquei os textos. Já na outra, me empolguei e rascunhei como poderiam ser os desenhos, mas os rascunho só entraram depois de dispor os textos. É uma etapa muito livre, com muito espaço para experimentar, uma vez que tudo está muilto solto, com traços simples.

pg07.jpg

pg08Em uma outra oportunidade mostrarei que nem sempre as coisas saem do jeito q nascem, isto é, até a página ganhar o carimbo de “aprovada”, coisas podem acontecer, mas falarei mais sobre isso em futuro próximo.

“Ó abre páginas, que eu quero passar”