1/2 marguerita, 1/2 portuguesa

Gosto de papel e lápis. Até pq eu cresci com isso, só havia isso. Fui ter contato com o digital voltado para o trabalho de desenho/ilustração já “macaco velho”. E mesmo assim foi um caminho lento e ainda cheio de adaptações. Para usar “tablet” (e me desculpem os mais novos porque o q hj é conhecido como mesa digitalizadora, há pouco tempo atrás se chamava tablet) eu levei um bom tempo e nunca consegui desenhar olhando pra tela e rabiscando sem olhar para o suporte. A área do cérebro q faria isso não se desenvolveu. Felizmente evoluímos, conheci a Cintiq e comprei uma tempos depois. Foi uma revolução na minha produção. E mais recentemente, investi um bom dinheiro para comprar um I-Pad Pro e o Procreate.

Quem conhece meu trabalho sabe q nunca fui um daqueles virtuoses da arte digital. Meu “phtotoshop” é mediano; trabalho mais com vetor e nem assim é algo assombroso. Ganho na quantidade, na perseverança e no cansaço.

Sempre tem nanquim, papel, guache, lápis, perto de mim. Sempre visito esses meios e não seria eu se não o fizesse. O desenho a seguir é uma prova desse casamento entre o tradicional e o digital: parte feito em papel e nanquim usando uma técnica de arte-final q divulguei aqui e parte da colorização (bem trivial) feita no Procreate.

O resultado eu publico depois pois ele é meio “surpresa”. Tentei subir um timelapse gerado pelo próprio Procreate, mas minha conta no WP não me dá direito a subir vídeos. Sorry.

Quem quiser ver, basta procurar meu perfil no instagram.

E por hoje é só, pessoal!

Anúncios
1/2 marguerita, 1/2 portuguesa

Conteúdo próprio

Quem visitar meu site vai encontrar um pequeno texto em q falo sobre um momento muito particular na minha carreira. Segue o trecho:

Há um bom tempo, enquanto escrevia para meu blog, resolvi ilustrar o texto, cujo tema era sobre Matemática, com um cartum meu. Tempos mais tarde, uma editora entrou em contato comigo querendo utilizar o desenho como parte do material didático que estavam fazendo. Foi aí que tudo começou. De lá pra cá, venho desenvolvendo cartuns e tirinhas tendo como inspiração conteúdos escolares e muito desse material já fez parte de diversas obras.

Também sou ilustrador, mas não emplaquei muitos trabalhos. Por não possuir um estilo muito pessoal para ilustração, é difícil imprimir uma “marca”. Por um tempo tive uma agente q me alertou para essa questão do estilo pessoal. Era difícil vender meu trabalho. Sempre gostei muito de ilustração de livro. Eu e boa parte da torcida do Flamengo q gosta de ilustrar. O único trabalho q fiz de neste segmento foi para uma obra juvenil. Li o livro antes de fazer os desenhos, o q foi uma experiência muito boa. Pena q durou pouco.

Como ilustrador para livros didáticos, fico à mercê do q a editora pede, isto é, a criatividade fica condicionada. Mas como citei nas aspas acima, foi a partir de um desenho para uma postagem no meu blog q descobri q podia fazer conteúdo próprio e ainda licenciar o uso do mesmo, e esta eu considero a grande sacada: qdo sou contratado para fazer uma ilustração, ela acaba pertencendo ao cliente; no caso do licenciamento, a imagem ainda é minha e posso comercializá-la para mais de uma pessoa, quantas vezes quiser!

Coleciono algumas situações interessantes relativas a uso de imagem. Certa feita, um cliente me pediu para fazer uma tirinha sobre a revisão ortográfica da nossa língua. Eu fiz um cartum. O trabalho foi negado e precisei de fato fazer uma história em quadrinhos. O cliente aprovou e me pagou. A imagem reprovada eu consegui licenciar mais tarde para outra pessoa. Perdi o direito de comercialização sobre a tirinha, mas em compensação o cartum, q ainda é meu, me deu lucro mais tarde.

A imagem a seguir é outro exemplo: criado para participar de um salão de humor, acabei não emplacando. Todavia recentemente fechei o licenciamento da imagem para uma obra didática.

Evolução

Onde quero chegar com tudo isso? Para mim, o caminho de desenvolvimento de conteúdo próprio tem sido mais recompensador. É claro q não vivo apenas disso, mas estimulo e encorajo as pessoas a criarem seu próprio conteúdo. Os ganhos vêm tanto na realização pessoal qto no retorno financeiro conseguido com licenciamento.

E por hoje é só!

Conteúdo próprio

“Nada se cria, tudo se copia”

Tive a ideia para esse cartum há um tempo atrás. Arrisco a dizer q certamente alguém (ou “alguéns”) já deve ter feito algo parecido, igual ou melhor. Às vezes reluto em continuar ideias q parecem óbvias, movido pelos pensamentos de: “vc copiou a ideia de outra pessoa”; ou então “essa ideia é muito fraca!”

É inevitável, uma hora a gente vai copiar o outro ou seremos copiados pelos demais. É muita gente vivendo, pensando, criando. Muita gente já viveu, pensou e criou antes de nós. E muitos, muitos outros viverão, pensarão e criarão tb. Dois exemplos de “plágio inconsciente” aconteceram envolvendo trabalhos meus e de dois grandes cartunistas: Rodrigo Minêo e Dálcio Machado (os meus são este e este). Conheço o Rodrigo e até escrevi para ele, falando sobre a similaridade dos trabalhos e ele foi bastante tranquilo.

Postei o cartum a seguir no meu instagram e a receptividade foi muito boa (até me surpreendi). Mas como não faço textos reflexivos lá, resolvi falar um pouco sobre este trabalho aqui no blog. Tem gente q lê, gosta, se interessa. Independente de quem está na outra ponta, registrar, comentar, refletir sobre um trabalho tem tanto peso quanto a obra em si.

E convenhamos, ler 3 ou 4 parágrafos não arranca pedaço de ninguém, não é mesmo?

Sujô!

“Nada se cria, tudo se copia”

Números nada redondos

Certamente vc, amigo leitor, amiga leitora, já deve ter ouvido falar em raiz quadrada. Não pretendo me alongar em definições (até pq não as sei de cor), mas vou direto ao ponto: vc tb já ouviu falar na raiz quadrada de 2, certo?

O número q, elevado ao quadrado, resulta o número 2 pertence a um grupo muito específico de números: os irracionais. Dentre eles um dos mais conhecido é o pi. Um número irracional é aquele q não pode ser representado na forma a/b, sendo a e b números inteiros. Por exemplo, o número 4 é racional, pois pode ser representado por 4/1 (4 e 1 são inteiros). Dízimas também são números racionais, apesar de infinitas. Por exemplo, 0,333… pode ser representado por 1/3 (1 e 3 são números inteiros).

Agora pago uma cerveja se vc me apresentar dois números inteiros q, se apresentados sob a forma a/b resultem a raiz quadrada de 2. E para q vc não perca seu tempo e tente ganhar a cerveja de qq jeito, sugiro procurar um cara chamado Euclides. Ele tem um argumento bastante convincente sobre o q estou falando. Tão convincente q se chama prova matemática (e olha q esse negócio de prova matemática é coisa séria!).

Mas por que falar sobre números tão esdrúxulos? Se a gente pensar q a Natureza é perfeita pq só usa “números redondos”, vamos quebrar a cara. Dizem q a descoberta da existência de números não “perfeitinhos” remonta à época de Pitágoras, e q Hipaso de Metaponto, membro da Escola Pitagórica, teria sido assassinado pq, ao brincar com a raiz quadrada de 2, não encontrou uma fração q definisse tal número. Ao contar sua descoberta a Pitágoras, este não teria gostado nenhum pouco da história e sentenciou Hipaso à morte por afogamento.

Mas a verdade é q os números irracionais estão aí e muitos ao nosso alcance. Quer ver só? Vc já se perguntou por que uma folha de papel A4 possui as medidas q tem? São elas: 297×210 mm. Por q 297mm? Por q não 300mm? Ou 295mm? Experimente dividir 297 por 210. O resultado é uma aproximação de quem? Dela mesma, a raiz quadrada de 2! Os papéis da série “A” (A0, A1, A2,…) seguem uma regra: o maior é duas vezes o tamanho do menor. Tome uma folha A4 e dobre-a ao meio pelo lado de maior dimensão. As folhas resultantes serão duas A5 (dobre o A5 ao meio e vc terá duas folhas A6). E se vc pegar a maior medida e dividir pela menor, vai encontrar um número q se aproxima do irracional raiz quadrada de 2. Essa “proeza” encontrada nos papéis A só é possível porque a relação entre seu comprimento e sua largura é igual à raiz quadrada de 2.

E acho melhor parar por aqui. Essa conversa já deve estar dando nó na cabeça de muita gente. Para descontrair, um cartum. Embora a raiz quadrada de 2 seja apenas uma, permite-me a licença poética multiplicá-la (não ao infinito, é claro).

raiz_quadradade2

 

Números nada redondos

Minhocas

Não sei se eu estava dirigindo e vi a imagem de um uróboro (ou ainda ouroboros), q é uma serpente q morde a própria cauda. Aí veio a ideia de substituir a serpente por uma minhoca. E eis o resultado.

Minhoca uróbora

PS: Achei mais interessante não corrigir o texto. Hoje, 11 de dezembro (um dia após ter escrito este post), dirigindo para o trabalho, eis q revejo a inspiração para o cartum. A foto está péssima, pois eu tive q aproveitar um engarrafamento e rapidamente fazer o registro fotográfico 😛

uroboro

Minhocas