1.2 Escolhendo um editor para programar

Depois de decidir qual linguagem estudar, um passo importante é escolher um “ambiente” para programar, isto é, um editor de código.

Quando comecei a estudar Processing, o editor q utilizei era nativo da linguagem: bastava fazer o download (q pode ser feito aqui, se vc se interessar) e começar a escrever na interface oferecida. Para ver o resultado da programação, um botão de Play exibe o código em ação.

Quando comecei a estudar HTML e CSS, conheci alguns editores de código. O Sublime Text foi o primeiro e a opção sugerida por um curso rápido q fiz e gostei do programa. Mais tarde, tomei conhecimento de outros. O último foi o Visual Studio Code. Sempre experimentava a sugestão dos instrutores dos cursos q fazia, mas o fato é q até hoje o Sublime atende às minhas necessidades. Até porque eu conseguia programar em Processing a partir de alguns complementos q podem ser instalados manualmente e sair do editor nativo. Mas minha dica seria: se vc já usa algum editor e se dá bem com ele, continue usando. Caso contrário, experimente um dos citados acima.

Quando passei a programar em P5, o fato de já usar um editor de código profissional ajudou, pois o P5 é uma biblioteca de Javascript, e esses editores reconhecem o Javascript naturalmente. A diferença é q para rodar um programa escrito em P5 são necessárias 4 coisas:

  • o arquivo da biblioteca P5;
  • o arquivo de extensão JS contendo as linhas de código;
  • um arquivo HTML q “chama” os dois arquivos anteriores;
  • um navegador de internet para carregar o arquivo HTML.

Quem já tem alguma noção de linguagens para web sabe q um arquivo HTML pode conter linhas q carregam arquivos externos, como folhas de estilo (CSS) ou scripts (JS).

Entretanto (como tudo evolui), atualmente utilizo o editor online do P5. Além de não precisar instalar nada, o editor é “inteligente”, pois sinaliza erros de sintaxe ou de digitação. E ainda é possível salvar os arquivos, fazer upload de aquivos externos (como fontes e imagens) e fazer o download dos arquivos criados para serem trabalhados em um editor “offline”, como os citados anteriormente.

Se vc quer começar a programar em P5, use o editor online. Até porque será nele q vou trabalhar as próximas postagens. Vá até o site do editor, crie um perfil para poder salvar arquivos e experimente a interface, q é bastante simples.

p5-editor
Interface do P5 Web Editor

Pra terminar, uma última dica: o OpenProcessing. Trata-se de uma plataforma para escrita e hospedagem de códigos, dentre outras coisas. Nele é possível editar programas próprios e de outros autores, além  de divulgar seu trabalho de forma mais visual e atraente. Se no editor do P5 eu escrevo meus programas, é no meu perfil do OpenProcessing onde divulgo meus estudos.

openprocessing_marlontenorio
Minha página no OpenProcessing, onde hospedo meus estudos

No próximo post vamos começar a programar de fato. Até lá!

1.2 Escolhendo um editor para programar

“Veio de uma estrela!”

Nos idos de não me lembro mais, participei de um projeto muito bacana q me possibilitou atuar na direção de arte e de animação de uma pequena série animada chamada Rockstar. Do projeto original, conseguimos executar 2 dos 3 episódios pensados. Chegamos até a esboçar o storyboard do terceiro vídeo, mas o projeto deu uma parada por conta de verba.

Como forma de fazer o registro do projeto e aproveitando para treinar um pouco de web, montei uma página q reune as duas aniamações, bem como alguns textos complementares, ficha técnica e contato dos autores.

Obrigado a todos q participaram e até uma próxima!

rockstar

“Veio de uma estrela!”