Zero zero zero

Ainda durante a pandemia, li a edição comemorativa de 30 anos de Os Goonies (tempos depois acabei revendo o filme na Netflix).

Eu lembrava muito pouco da história e arrisco até a dizer que nunca vi o filme na íntegra (durante minha infância/juventude). O fato é que, em dada parte da trama, o personagem Bocão resolve tirar um sarro com as engenhocas do garoto chamado Dado:

“… Bocão colocou o braço em torno do ombro dele e disse: ‘Calma, zero-zero-à-esquerda.’ Mas ele disse isso numa boa.”

Fiquei com essa ideia na cabeça e, é claro, precisei fazer um cartum (tomei a liberdade de acrescentar mais um zero… à esquerda rs).

Zero-zero-zero
Zero zero zero

Zero

Embora a ideia do zero esteja presente em muitos povos antigos, sua “invenção” é atribuída aos hindus. Eles “reconheceram que o zero tinha uma existência independente, além de mero papel de marcar espaços entre os números […] Pela primeira vez o conceito abstrato do nada recebia uma representação simbólica.” (O Último Teorema de Fermat, Simon Singh, pp 73).

Rascunhei um cartum sobre o tema no caderno e finalizei-o no Procreate. Minhas ideias são melhor resolvidas no papel, não tem jeito. O Procreate grava um timelapse do q a gente faz, o q é ótimo para registrar o processo. Pena q minha conta no WP não permite postar vídeo :/

egipcio

Zero

Zero